segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

Fabricação




Um movimento desencadeia
movimentos de máquina e solidão:
o prisioneiro se vai caminho
e, à tona, o choro desenferruja
as engrenagens do peito,
as dores do músculo.

As peças fabricadas em série,
os movimentos cegos do corpo
e as montagens dos momentos:
tudo é produto da massa
que solda os fios da vida
e solta o cegos de mãos vazias.

A fábrica da vida
é só isso, por metáfora dizer:
bater martelos nos
parafusos da cabeça
a largar os loucos
fora de suas casas,
longe de seus amores.
.
.
.

4 comentários:

  1. Gostei do poema, polissemico, verdadeiro e desafiador. Gostei de todo o blog aliás. Abraços. Domingos.

    ResponderExcluir
  2. Realidade irônica... gostei muito do seu poema!

    mirna

    ResponderExcluir
  3. É mas volte agora e ainda é ele. Domingos.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...